segunda-feira, maio 07, 2007

Relatos de Viagem em números

49 posts, contando este;

142 dias vivendo nos EUA, quase 5 meses;

700, é esse o valor que paguei pelo carro, em dólares;

2,19 Dólares por galão era o preço da gasolina quando comprei o carro (convertendo para Reais, é 1,17 por litro);

3,15 Dólares por galão era o preço da gasolina na última vez que abasteci meu carro (convertido para Reais, é 1,69 por litro);

8 horas dirigindo sozinho, em direção à Washington;

3.977 quilômetros rodados com o Oldsmobile Cutlass vermelho;

3 vezes em NY a passeio e 4 só de passagem;

102, o Empire State tem 102 andares;

3 perdas: 1 celular e dois cadeados;

3 roubos: Guaraná 2 litros, guarda-chuvas e 1 iPod!!!

150 ou mais: essa é a quantidade de estudantes brasileiros no Mohegan Sun;

34 andares no Mohegan Sun Hotel;

-17 graus, essa foi a temperatura mínima que ví;

8 vídeos no Youtube;

179 fotos no Flickr;

10 é número de estados que conheci:
Connecticut
Nova Iorque
Rodhe Island
Massachussets
Florida
Vermont
New Jersey
Delaware
Mariland
Pensilvania
Distrito de Columbia*

-------------------------

Um monte de números, mas nenhum deles é suficiente para dizer a importância que esta experiência teve para mim. Só mesmo tendo vivido para saber...
E assim, finalmente chega ao fim a razão pela qual este blog foi escrito. Espero que tenham gostado!

quinta-feira, maio 03, 2007

Lost em Norwich

Apesar de ter decaído um pouco nesta temporada, quem me conhece sabe que eu sou fã da série Lost da ABC. Pois então, me inspirei em um dos episódios (2x01, pra ser mais exato) pra fazer um vídeo sobre minha rotina aqui nesta "escotilha" que é Norwich.


------------------
PS: O vídeo estava com problema no som, que já foi corrigido.

segunda-feira, abril 30, 2007

Despedidas (2)

Foi, já era, passou, me despedi de todo mundo. Sexta no Buddy's, sábado no Mohegan e domingo na igreja. O fato de estar chuvendo na sexta e sábado não ajudou muito a tornar as coisas mais fáceis. Pra quem quer conhecer um pouco as pessoas com quem tive contato durante este tempo aqui nos EUA, é só entrar no Flickr que as fotos estão todas lá, esperando por você :-)

sexta-feira, abril 27, 2007

Despedidas

Como é ruim quando chega a hora de se despedir, ainda mais uma despedida que é, provavelmente, para sempre. Hoje completei meu último dia no Buddy's (o segundo emprego), e embora tenha trabalhado lá menos de 1 mês, foi bem triste. Agora tá chegando a hora de me despedir do pessoal do Mohegan, com quem trabalhei 4 meses; com certeza vai ser bem pior que a despedida do Buddy's. Domingo me despeço do pessoal da igreja, e na sexta é a vez de dar tchau para os EUA.

Pois é, só tenho 1 semana aqui nos EUA, e conforme o tempo vai se esgotando, algumas incertezas vão aumentando. Ainda preciso vender o carro, e não está nada fácil conseguir comprador. Pior ainda: 1 semana inteira sem trabalhar, só com despesas. Não sei se vou conseguir aproveitar da melhor forma este resto de tempo.

A hora está chegando. Passou rápido, muito rápido; bem mais do que eu queria. Com certeza vou sentir saudades daqui, mas o que anima nisso tudo é saber que logo vou matar a saudade dos que deixei aí no Brasil.

sexta-feira, abril 20, 2007

Fatos antigos vêm a tona

Até o final do mês, passear vai ser algo difícil: é isso que dá querer ter dois empregos! Então, na falta de coisas novas pra contar, falo sobre as velhas que vocês ainda não sabem, hehehe.

Em fevereiro (dia 21, pra ser mais exato), estive numa base de submarinos na cidade de New London. Mas não é uma base qualquer: é a mais antiga dos EUA, e nela foram, e ainda são, construídos submarinos, ora pois. É claro que a parte "operacional" da base não é aberta ao público: o que é aberto é um museu que mostra a evolução dos submarinos, várias réplicas e outras curiosidades. Mas o que é realmente interessante neste museu é o USS Nautilus. Este submarino, feito nos anos 50, é o primeiro movido a energia nuclear do mundo. Mas por que é interessante? Porque o submarino está ancorado na base e é possível entrar e conhecer por dentro! Apesar de ser uma experiência legal, o ambiente é muito estranho e abafado. Saber que os marinheiros passam meses dentro de um, sem ver a luz do dia, é assustador. Eu vi que não tenho vocação para isso, hehehe.

Uma coisa que me chamou atenção foi a presença de "inimigos" chineses e venezuelanos dentro da base. Explico melhor. Chineses são os produtos vendidos dentro da lojinha do museu. Camisetas, bandeiras, submarinos em miniatura: tudo feito na China. Isso até não surpreende muito, tudo aqui é importado mesmo. Surpreso fiquei com os venezuelanos: o posto de gasolina dentro da base é do governo da Venezuela do presidente Chaves! Pois é, a Venezuela é dona da rede Citgo aqui nos EUA, e há um dentro da base, na área de acesso restrito. Pra mim, isso é mais ou menos como se colocassem um McDonald's dentro de uma base militar brasileira.

E pra completar o post, nada como um vídeo mostrando como o submarino é!

segunda-feira, abril 16, 2007

Virginia Tech

Infelizmente, até isso vou ter no "curriculum" de vivência nos EUA quando voltar para o Brasil: um massacre tipicamente americano em escola (no caso, uma universidade). Pois é, parece que de tempos em tempos um maluco resolve sir matando seus colegas e se matar no final. O estranho é que dessa vez o assassino não era um nativo, mas sim um asiático. Vá entender...

quarta-feira, abril 11, 2007

Novidades, muitas novidades

Fato #1: Consegui um segundo emprego. Como eu tinha falado no post "Crônica de um domingo", era possível que eu começasse em um outro emprego no dia seguinte. E comecei mesmo. É numa lancheria nova que abriu aqui em Norwich chamada Buddy's Dugout e estou trabalhando, teoricamente, das 10 da manhã às 3 da tarde, segundas às sextas. Teoricamente, pois já aconteceu umas 3 vezes de eu voltar pra casa mais cedo devido ao movimento fraco, ou até mesmo de ganhar folga antecipada...
O quê eu faço lá? De tudo um pouco, mas o principal é servir refrigerantes e sorvetes. O que não quer dizer que eu também não tenha que limpar mesas antes do horário de abertura e também carregar o lixo. É um emprego fácil e, exatamente por isso, paga pouco, bem menos do que eu ganho no Mohegan. Mas serve como um complemento, já ajuda a pagar as despesas de gasolina (que não são poucas). O lado ruim disso tudo: as folgas de lá não coincidem com as do Mohegan, o que vai limitar minhas chances de passear.

--------------

Fato #2: Conheci Washington. Isso provavelmente vocês já sabiam, caso tenham lido o post anterior, que eu publiquei enquanto estava lá. Quinta passada, já na primeira semana de Buddy's, ganhei uma folga; eu também não trabalharia no Mohegan naquele dia, então resolvi aproveitar o que pode ter sido o meu último dia livre enquanto estiver trabalhando aqui.
Convidei muita gente, umas 10 pessoas, para irem comigo; ninguém se interessou em fazer um esforço para ir junto. Azar o deles, eu fui e aproveitei :-P
Entrei na internet, fiz o roteiro da viagem e saí de casa um pouco antes da meia-noite, com uma chuvarada, para dirigir sozinho durante toda a madrugada num percurso de mais de 600 quilômetros. Tirando os vários pedágios que tive que pagar, a viagem foi divertida, ainda mais por ser a primeira vez que dirijo uma grande distância. Fui com o rádio ligado, ouvindo country.
Era quase 8 da manhã de um dia frio e vento, mas muito bonito, quando cheguei na capital. Paguei um estacionamento, botei a mochila nas costas e fui fazer meu turismo à pé, que é muito mais divertido!

Primeira parada: capitólio. É o congresso americano, onde são criadas as leis do país... é, é alí que os deputados e senadores se reúnem, sim.


Próxima parada: Washington Monument. É um grande obelisco (170 metros) em homenagem ao primeiro presidente americano (obviamente, George Washington) e é circundado por 50 bandeiras americanas que representam os 50 estados. Começou a ser construído em 1844, e ficou por muitos anos parado por, vejam só, falta de dinheiro para conclusão da obra. De fora é visível que da metade pra cima foi feito com um tipo de pedra mais simples. Dizem que enquando não estava pronto, o monumento mais parecia uma chaminé de fábrica. Bom, deixando a história de lado, eu queria entrar lá (sim, é tão grande que se entra dentro dele) mas descobri que para isso era necessário ter um ticket que, apesar de grátis, é distribuído apenas às 8 da manhã. Já estava triste, mas aí entra em cena uma americana anônima, que tinha um extra e me ofereceu de graça! Como esses americanos são mal-educados, hein ;-p
Lá em cima a vista é muito legal, e como se trata do ponto mais alto da cidade é possível ver todos os locais importantes da capital.


Saí de lá em direção ao Memorial Lincoln, homenagem ao presidente que acabou com a escravidão e evitou a separação dos estados do sul. No caminho, passei pelo monumento da Segunda Guerra Mundial e pelo famoso espelho d'água, onde ocorreram as grandes manifestações dos anos 60 ("I have a dream" - Martin Luter King).

É um longo caminho até o Lincoln Memorial. E o que tem lá dentro? Isso aí na foto abaixo!


Há ainda outro ex-presidente que é homenageado por um memorial: Thomas Jefferson.


Depois disso, passei pelo muro em que são lembrados os soldados mortos na guerra do Vietnã, pelo monumento da gerra da Coréia e fui para, adivinhem onde? Para a Casa Branca! Não pude entrar lá, as visitações eram só até o meio dia, mas tirei algumas fotos em frente. Achei que o Bush ia aparecer na janela para me convidar para entrar, mas nem isso... acho que ele não devia estar em casa.


Próxima parada: Museus. Fui no de história natural e no aeroespacial, e acho que é desnecessário dizer qual eu gostei mais. Lá eles têm aviões da primeira e segunda guerra mundiais, caças, aviões comerciais, foguetes, réplicas das naves do programa Apolo e um cinema 3D... ufa.


Já era hora de voltar: peguei a estrada e andei uns 80 quilômetros, e daí que eu fui descobrir que estava realmente cansado. Só pra relembrar, eu estava há mais de 24 horas acordado. Parei o carro em um posto e dormi umas 3 horas. Por incrível que pareça, este sono rápido fez uma grande diferença, voltei tranquilo durante a noite. Cheguei em casa e dormi mais um pouquinho, porque às 10 eu já tinha que estar no Buddy's.

------------

Fato #3: Mês que vêm estou de volta. Pois é, ainda não sei bem a data, mas é quase certo que vou passar o "veranico de Maio" com vocês.

quinta-feira, abril 05, 2007

Hoje eu estou em...

Bem, acho que nem preciso falar onde, a foto diz tudo!!!

Mais fotos de lá no Flickr.

terça-feira, abril 03, 2007

Crônica de um domingo

3:00am: Chego em casa do serviço tarde da noite. Vou logo dormir para ir à igreja de manhã.

7:30am: O despertador de um dos meus colegas de quarto começa a tocar. Parece que só eu que me acordei com o barulho. Noto que estou com frio: o aquecimento central parou de funcionar ontem. Como a cada 5 minutos o despertador recomeça, resolvo levantar pra tomar um banho. A banheira está muito suja (os responsáveis da semana pela limpeza não fizeram sua parte). Saí do banho e voltei direto pra cama, o sono ainda não passou.

10:00am: Despertador tocando: agora é o meu. Levantei e me vesti. Nos fundos de casa, onde o carro fica estacionado, há um córrego; de lá vem um barulho que deve ser de sapos. É primavera aqui em Norwich e parece que tudo está voltando a ter vida. Pra quem se acostumou com um frio -10 graus, o dia até que está quente: uns 15 graus.

10:30am: Chego na igreja. Ela está cheia, o dia está bonito. Pra minha supresa, encontro um dos colegas de apartamento lá; ele deve ter ido a pé mais cedo. É domingo de ramos, o tema da mensagem é "Consumido pelo zelo"; o pastor fala sobre a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, do zelo do Messias ao expulsar os mercadores do templo de como isso contribuiu para sua crucificação.

12:30pm: Acabou o culto. Dou uma carona para o Augusto até o Mohegan e vou ao Wal-Mart fazer compras. Na entrada vejo vizinhos (ou conhecidos) se comprimentando. O Sol está forte mesmo: quando volto pro carro ele já está bem quente.

1:30pm: No caminho pra casa vejo adolescentes andando de bicicleta. No nosso condomínio, uma criança de patinete. Faço a limpeza da banheira, coloco o lixo na rua e vou assitir um pouco de TV. Está passando o programa "Mith Busters" no Discovery Channel.

2:30pm: Vou para o Mohegan Sun, quero almoçar e acessar a internet antes de começar a trabalhar.

4:00pm: Começo o expediente. Está muito parado, nenhum movimento: ninguém chega no hotel domingo a tarde, e quem tinha que ir embora já saiu. O tempo demora para passar.

8:00pm: É meu intervalo de janta de 40 minutos. Lá fora começou a chover, e junto com a chuva veio também um pouco de frio.

8:40pm: Agora só faltam 3:20 para ir embora, mas parece que o tempo continua a andar mais devagar que o normal.

12:00am: Finalmente vou sair. Continua chovendo e esfria cada vez mais. Nessas horas é bom ter carro. Tomara que já tenham arrumado o aquecimento lá de casa. Vou dormir "cedo", pois amanhã talvez eu comece um segundo emprego.

terça-feira, março 27, 2007

Outra vez, Nova Iorque

Dia de folga em pleno domingo não é sempre que acontece, por isso tenho que aproveitar. E aproveitei mesmo: peguei o ônibus de 10 dólares dos chineses (sempre eles!) e fui pra Nova Iorque. A cidade é tão grande e cheia de atrações que ainda levaria muito tempo pra eu não ter o que fazer lá.

O primeiro lugar que eu fui foi o tão famoso Rockefeller Center. Não achei nada demais: é apenas uma praça com um pista de patinação no gelo, um monte de bandeiras de vários países e, claro, um prédio bem alto. Saindo dali eu fui para a Grand Central Terminal, que fica a 1 quadra. É esse o terminal que aparece no desenho "Madagascar", quando os animais que fugiram do zoológico estão procurando um meio de ir para a selva em Connecticut.

É, cada lugar de Nova Iorque lembra alguma coisa de algum filme. São muitas as histórias de Hollywood que se passam naquela cidade; mas de todas, a mais memorável com certeza é a do filme King Kong. Quem não lembra da cena do gorila no topo do Empire State segurando a mocinha? É claro que eu não poderia voltar pro Brasil sem ter ido lá em cima pelo menos uma vez!

Mesmo tendo que pagar US$ 18 apenas para pegar um dos 73 elevadores e subir até o andar 86 do prédio construído em 1931, havia uma fila imensa de pessoas. Nela eu encontrei um sul-africano que está nos EUA pela primeira vez. Veio para um congresso de tecnologia da Novel em Salt Lake City e aproveitou pra conhecer NY. O engraçado é que o sul-africano na verdade é filho de indianos; inclusive fala com aquele sotaque que só que já ouviu sabe como é difícil de entender.

O tempo estava limpo, e lá de cima do Empire State a visão da cidade estava ótima, dava pra ver uma distância grande. Tirei muitas, muitas fotos lá em cima (as melhores estão no Flickr). Também foi legal que lá de cima eu pude ver exatamente como chegar nos outros lugares que eu ainda queria ir durante o dia. Um desses locais era a ponte do Brooklyn (essa foto é como eu via a ponte lá de cima do prédio).

Quem me conhece sabe que eu adoro andar a pé; pois então, fui do Empire State até a ponte caminhando! Quem gosta de um pouco de história vai ficar feliz em saber que ela é a primeira ponte suspensa por estrutura de aço a ser construída, tendo sido finalizada em 1883, há quase de 125 anos atrás.

Já quem gosta de engenharia vai gostar de saber que cada cabo que segura a ponte deve ter quase 1 metro de diâmetro, e a distância entre os dois pilares que sustentam toda a estrutura é de 486 metros. A ponte tem 6 pistas para automóveis, 1 para pedestres e 1 para bicicletas.

Como também não sou de ferro, procurei um metro pra ir ao meu próximo destino, que eu havia avistado do alto do Empire State: a sede das Nações Unidas, a famosa ONU.

Cheguei lá, mas não sem antes me perder por ter pegado o metrô errado duas vezes (ainda bem que não é preciso pagar de novo pra mudar de trem). E todo esse trabalho pra nada: a ONU só fica aberta de segundas a sextas. Nem mesmo as bandeiras dos países estavam hasteadas, eles retiram tudo nos fins-de-semana..

Foi uma pena que a ONU estivesse fechada, pois eu acho que lá eu não vou ter mais oportunidade de voltar. Meu plano para as próximas visitas a NY é conhecer museus interessantes, como o de História Natural e o Metropolitan, e, quem sabe até, assistir um musical na Broadway!

-----------
Bônus: Coloquei várias outras fotos no Flickr, é só clicar!

segunda-feira, março 19, 2007

Curtas

Clima maluco: agora em Março, quando ninguém mais esperava neve, aconteceu uma tempestade daquelas! Quem estava no Mohegan e não pode voltar pra casa ficou hospedado, de graça, em um quarto do hotel! Que pena que eu estava em casa...


Bem mais da metade dos brasileiros que estavam aqui para o TRUE já voltaram para o Brasil. Já está ficando difícil até encontrar brasileiros no Uncas Grill (restaurante de funcionários) na hora do intervalo.


O contrato de aluguel da casa em que estou morando vence no final do mês. Em Abril vou trocar de casa; agora só falta saber para onde. Vou dividir uma casa com os outros brasileiros que ficarem por aqui mais um tempo.

quarta-feira, março 14, 2007

A cidade dos primeiros

Eu sei, imperdoável ter ficado mais de uma semana sem postar nada, não vou tentar enrolar ninguém com desculpas ;-) Mas, pra tentar arrumar a situação, vou contar sobre a cidade que visitei nesse período. Apesar de ficar perto de Norwich (pouco mais de hora e meia), eu ainda não conhecia Boston (sem trocadilhos, por favor ;-). Aproveitei a folga no meio da semana, peguei um ônibus dos chineses (de novo!) às 4 e meia da manhã e me fui, sozinho. Justo neste dia havia chegado uma frente fria do Canadá, e a temperatura estava muito baixa, acho que em torno de -15 graus. Imaginem só, 6 da manhã sozinho na Chinatown de Boston num frio de rachar! O que eu fiz? Achei um McDonalds e fiquei lá esperando até às 8, quando as coisas começam a funcionar, hehehe.

Este McDonalds ficava na esquina da rua Washington com a Kneeland. Enquanto esperava, aproveitei pra acessar a internet e ver os pontos turísticos próximos. Fui bom descobrir que eu estava à 2 quadras do Common, que é o primeiro parque público dos EUA. Às 8 lá fui eu. Foi muito engraçado chegar e encontar um monte de chinesas fazendo exercício em volta do monumento no centro do parque (olha elas atrás de mim no canto da foto).

Também descobri que o Common é o início de uma rota turística, chamada de "The Freedom Trail", que percorre muitos pontos históricos da cidade. Funciona assim: no parque começa uma linha vermelha, que segue pelas calçadas; o turista apenas vai acompanhando a linha e descobrindo os lugares interessantes, não tem erro!

Passei pelo palácio do governo do de Massachusetts (Boston é a capital do estado), pelo Faneuil Hall, que é mercado público da cidade, pela Old South Meeting House, local onde foi dado o sinal que iniciou a "Festa do Chá de Boston", pela Old State House, local onde a declaração de independência dos EUA foi lida pela primeira vez, por um monumento em homenagem às vítimas dos campos de concentração nazistas, por várias igrejas de importância histórica, pela Little Italy (eu entrei numa loja de lá e as pessoas estavam falando em italiano!) e, finalmente, cheguei no USS Constitution.

O USS Constitution é o primeiro barco da marinha americana, tendo sido construído em Boston logo depois da independência. Como estamos falando de 1700 e antigamente, ele foi feito para proteger os comerciantes americanos de ataques de corsários e piratas no mar. Ele é o mais antigo navio do mundo em atividade! Ele ainda faz parte da marinha americana, tem capitão e tripulação; todo 4 de julho (o dia da independência) o USS Constitution vai ao mar para as comemorações.

Eu tinha dito piratas? Piratas, pois sim; o USS Constitution é bem no estilo dos navios do filme Piratas do Caribe, com canhões, mastro, vela e tudo mais!

Depois de muito caminhar pela “The Liberty Track”, resolvi mudar o meio de transporte: era hora de conhecer o metrô. Estações bem mais limpas e modernas do que as de Nova Iorque, com trens também mais novos têm seu preço: tarifa de US$ 1,70. Embarquei em direção a Cambridge, do outro lado do rio Charles, para conhecer Harvard e o MIT, duas das mais conhecidas e importantes universidades do mundo. Em Harvard caminhei bastante pelo campus (lá tem esquilo!), pelos corredores, até entrei em uma sala de aula e tirei foto lá dentro. Estive também na Harvard Business School, que é uma referência mundial na área de Administração.


/>
Depois disso, peguei outro metrô e fui para o MIT, onde novamente fui entrando sem ser convidado, hehehe. Lá têm uns prédios bem estranhos, que nem esses da foto aí embaixo, muito legal! A única coisa ruim foi que lá eu perdi meu celular e não consegui mais encontrar... ainda bem que não era um iPhone, era só um celular de cartão de vinte dólares.

O incrível em ter andando por essas duas universidades é que nos corredores eu posso ter cruzado por algum prêmio Nobel de qualquer coisa e nem saber!

Apesar de todo mundo falar que em Boston há muitos brasileiros, eu não encontrei lá nada, nenhum, zero mesmo; bem diferente das vezes que estive em NY, que encontrava um brazuca em cada esquina! Mas, pra compensar, eu não pude resistir e tirei uma foto dessa propaganda que estava circulando em vários ônibus:


PS: Quem quiser ver mais fotos, entra no Flickr!

quarta-feira, março 07, 2007

Crônicas de Nárnia... opa, de Norwich


Mesmo sendo o inverno mais quente dos últimos 50 anos, Norwich ainda assim tem seus dias de neve, e até nevasca. E assim sendo, e se tratando de um país desenvolvido, existe toda uma estrutura para se conviver com a neve e o frio. Em primeiro lugar, há um sistema de previsão do tempo que costuma funcionar bem melhor do que no Brasil. Quase todas as vezes em que neve foi prevista, neve realmente ocorreu. As pessoas se preparam para os dias em que se espera alguma coisa mais forte; dia desses, quando estava prevista uma nevasca, foi incrível a quantidade de gente que faltou ao trabalho, hehehe. Dizem que quando o tempo fica muito ruim, os funcionários que estão trabalhando nem voltam pra casa, o Mohegan hospeda todo mundo no hotel!

Quando comprei o carro, no banco de trás havia uma pazinha com uma vassoura na ponta, e o antigo dono me deu de brinde. Na hora eu não vi serventia, não dei muita importância e deixei ela lá mesmo. No primeiro dia de neve que precisei usar o carro eu entendi a finalidade: usei para limpar os vidros, pois havia tanta que o limpador de parabrisas nem tinha força pra sair do lugar. Já teve vez de ter mais de 1 palmo de neve acumulada sobre o carro, o que foi bem trabalhoso de remover, principalmente considerando que era madrugada e devia estar uns -10 graus! Na rua não era nem possível saber onde era o asfalto e onde era o meio-fio, tanta era a neve. Acho foi neste dia que o Augusto falou que Norwich parecia Nárnia. Boa sacada. Pra quem leu o livro ou viu o filme, houve uma época em que em Nárnia era um inverno "quase eterno", tudo coberto de neve. Assim estava Norwich: as casas, as ruas, as plantas e árvores, uma cidade totalmente branca.

Dirigir em uma pista coberta pela neve é realmente perigoso. Por isso, assim que começa a nevar começa a funcionar um serviço de caminhões que passam "varrendo" as ruas (um desses aparece aí embaixo no vídeo). Outra noite estava nevando durante a madrugada e as 6 da manhã eu já ouvia o barulho do caminhão limpando em frente de casa. Lojas que tem estacionamento a céu aberto (que são a maioria) também contratam esse serviço, para que os clientes possam estacionar sem problemas. Em dias assim, uma coisa que dá algum dinheiro é trabalhar removendo neve das calçadas. Por mais que quase ninguém transite nelas, os donos das casa, quando não fazem eles mesmos o serviço, pagam para alguém tirar de pá a neve que se acumulou durante a noite. Com a qualidade do serviço público que temos no Brasil, eu fico imaginando o que aconteceria se nosso pais tivesse neve, pois uma chuva mais forte já é capaz de tornar nossas estradas intransitáveis. Era capaz de que cidades inteiras ficassem isoladas até que o calor voltasse e derretesse tudo.


Há também o lado bom da neve. Fazer guerrinha de neve é muito divertido. Ia ser melhor ainda se eu tivesse uma luva impermeável, que não deixasse minha mão congelar em 5 minutos, hehehe. Eu vi os "Norwichianos" fazendo outra coisa muito divertida: foram ao campo de golfe com umas bóias infláveis para deslizar no gelo dos morrinhos. Ah, finalmente, lago congelado é uma atração a parte: muito legal brincar em cima, correr, patinar (pra quem tem patins), ou mesmo só ficar contemplando a deslumbrante paisagem de inverno.

domingo, março 04, 2007

Sintonizado

Depois do microondas grátis, que a Natália conseguiu com uma americana, agora foi minha vez de ter algo de graça: uma televisão. Ela estava abandonada no estacionamento de funcionários do Mohegan, ao lado do elevador. Quando vi até pensei que não estivesse funcionando, mas botei no porta-malas do carro pra testar em casa.
A TV, que deve ser de 12 polegadas e tem vídeo-cassete embutido, funciona perfeitamente! A qualidade da imagem é muito boa, mas não sei como está o VHS. Mas hoje em dia, quem se importa com isso, não é mesmo? Pra ser melhor, só mesmo se tivesse vindo junto um controle remoto, hehehe!

quinta-feira, março 01, 2007

Que dia!

Acho que ontem foi o dia que mais me diverti em toda minha vida: fui fazer snowboard e esquiar!
O meu dia começou às 3 e meia da manhã, quando acordei pra me preparar para a excursão, que iria sair do Mohegan às 5h. O percurso até a estação de esqui Killington, no estado de Vermont, durou umas 4 horas. Chegamos lá às 9, o dia estava perfeito para se esquiar: havia nevado bastante nesta semana e hoje estava ensolarado, com temperatura em torno de 0 graus.

A estação é a maior da região, tem mais de 190 pistas de todas as categorias de esqui (que são verde, azul, preta com 1 diamante e preta com 2 diamantes). É claro que eu e todos os brasileiros que nunca tinham ido ficamos só nas verdes, que para um iniciante como eu é difícil. Começei com snowboard e subi até o topo da pista, que deveria ter 1 km. Na primeira descida, até a metade da pista minha tentativa se resumia a uma série de tombos, hehehe! Depois comecei a pegar a manha, e consegui até fazer algumas manobras, pois comecei a pegar velocidade no snowboard. Claro que ainda caia alguns tombos, ou as vezes me jogava no chão para evitar algum acidente. Cada vez que eu chegava na base da pista estava exausto, mas corria de novo para o teleférico para mais uma descida. Como isso cansa!

Umas duas horas antes de vir embora eu troquei o snowboard por esquis, para ver como era. Não gostei nem um pouco, até porque não consegui aprender direito. O percurso que de snowboard eu fazia em 5 minutos, de esqui eu levei quase meia hora! O que me deixava com inveja era ver que enquanto eu estava me matando para esquiar, crianças pequenas, de uns 6 anos, desciam sozinhas, e muito rápido! Mas fazer o que, elas se criaram no meio da neve...

Dessa vez só tenho 1 videozinho pra mostrar, que o Augusto filmou pra mim. Sim, o Augusto e também a Natália foram junto e ela ficou com a câmera, que como vocês sabem, é dela.

No final do dia todos estavam exaustos, então na viagem de 4 horas quase todo mundo veio dormindo o trajeto inteiro. Teve uma brasileira (a Vânia) que nem conseguia mais caminhar de tanta dor no corpo, que desceu do ônibus de cadeira de rodas!!! Ela hoje está bem, era só dor pelo tombos levados. Tenho certeza que, assim como eu, todos que foram na excursão voltaram mortos mas muito felizes!

sábado, fevereiro 24, 2007

A Igreja

Desde que publiquei este post, muitas pessoas com as quais tenho falado demostram curiosidade em saber como são as igrejas daqui. Como eu tenho ido com alguma freqüência na Assembly of God (semanalmente, pra falar a verdade), eu fiz um vídeo que mostra como é o louvor desta igreja. E como neste dia eu havia cheguado um pouco antes do começo, consegui filmar até o ensaio!

quinta-feira, fevereiro 22, 2007

American way of life - Parte 2: consumismo

Apesar de já fazer quase 2 meses que eu escrevi a parte 1, em nenhum momento eu esqueci que estava em dívida com meus poucos leitores. Finalmente coloquei as idéias no papel (ou melhor, no computador :-) e aí está a continuação. Já faz tanto tempo que provavelmente alguns já nem lembram mais o que eu havia escrito. Grosso modo, coloquei que o comodismo é uma das principais características do modo de vida americano. Hoje quero contar sobre outra coisa que chama muito a atenção deste brazuca aqui na terra do Tio Sam: o consumismo. Sei que essa tecla já é muito batida, mas os americanos consomem numa quantidade tal que o planeta não teria recursos naturais suficiantes por muito tempo se metade dos habitantes da Terra tivesse o mesmo padrão de vida!

Eu vejo como uma das causas do consumismo a mentalidade americana de sempre procurar o "melhor negócio". A indústria, que sabe muito bem disso, oferece produtos em embalagens cada vez maiores e maiores. Vou mostrar um caso que exemplifica a lógica por trás disto: um pacote com 4 pilhas comuns custa 2 dólares, o que significa 50 centavos por unidade. Na mesma prateleira o consumidor vai encontrar um pacote com 30 pilhas custando 10 dólares, o que representa 33 centavos por unidade. O que um americano, que não gosta de fazer mau negócio, irá comprar? O pacote com 30 unidades! E se em vez de pilha fossem alimentos? Pode ser que ele tente não desperdiçar e consuma tudo o que foi comprado; será que é só eu que vejo aí outra causa para a "epidemia" de obesidade que assola os EUA?

Se sempre que um caso como esses ocorrese (e a industria faz assim com qualquer tipo de produto) o consumidor realmente utilizasse tudo o que comprou, ele realmente teria feito um bom negócio, e além disso o planeta agradeceria por ele ter consumido menos embalagem (acho que pra todo mundo fica claro que 5 pacotes de 4 unidades geram mais lixo que 1 pacote de 30). Mas quem realmente precisa de 30 pilhas? É muito provavel que antes de chegar na metade do pacote, o consumidor já as tenha perdido. Se isso não ocorrer, quando elas forem usadas já estarão vencidas. O que ele irá fazer? Comprar outro pacote, provavelmente com 30 unidades, ora! O desperdício é conseqüência direta do consumismo, vêem?

O marketing também é outro conhecido gerador do consumo Ele muitas vezes cria necesidades que as pessoas não sabiam que tinham. Vejam só, quando fui comprar um aspirador-de-pó para nossa casa descobri que agora existem alguns que, além de obviamente aspirarem o pó, também "purificam o ar". "Sua família merece respirar um ar puro", diz o fabricante; a dona-de-casa preocupada com os filhos joga fora o aspirador antigo (que funcionava perfeitamente) e compra o novo, que vai manter o ambiente doméstico com um ar puro como o do campo (ou até melhor, pois o produto promete também capturar o pólen do ar).

Bom, é certo que existem muitas outras causas para o consumismo que eu nem mesmo imaginei, e as conseqüências vão muito além de obesidade e desperdício. Por isso, como sempre qualquer comentário e idéia sobre o assunto serão bem-vindos.

segunda-feira, fevereiro 19, 2007

Feliz ano-novo!

Não, antes que pensem que estou louco, já aviso que não estou. Eu estou apenas comprimentando os 1,5 bilhão de chineses pelo início do ano 4704. Segundo a tradição chinesa, este será o ano do porco, e eles acreditam que isso é motivo de sorte; deve ser por isso que eles lotaram o Mohegan Sun como nunca. Eles também acreditam que ter filhos neste ano é um bom presságio: o mundo que se prepare, pois algumas dezenas de milhões de chineses a mais está para nascer!

Além do ano-novo chinês, amanhã é o feriado do dia dos presidentes. É, os americanos tem um feriado, todo ano desde 1885, em homenagem aos aniversários de Geroge Washington e Abraham Lincoln, ora pois. Como nenhum feriado pode ser desperdiçado pelo comércio, os lojistas aproveitam a data para realizar grandes liquidações. Tipicamente americano!

sábado, fevereiro 17, 2007

New York, New York

Está ai o tão prometido (e adiado) vídeo de Nova Iorque. Espero que gostem!

segunda-feira, fevereiro 12, 2007

Em Nova Iorque, novamente!!!



Já coloquei algumas fotos no Flickr, e assim que possível eu conto um pouco mais!

sexta-feira, fevereiro 09, 2007

Habilitado, segurado, licenciado e emplacado

Agora sim! Levei algum tempo, mas finalmente venci a burocracia americana. Sim, quem diria: burocracia nos EUA. É inacreditavel que a falta de 2 letra no meu nome no Social Security possa ter causado tanto transtorno... Está provado que não é só em país de "terceiro mundo" que o serviço público não funciona direito, hehehe.

Hoje eu já vim de carro para o serviço; agora já posso começar a fazer planos para aproveitar melhor minhas folgas. Mystic é um dos primeiros lugares que quero voltar, pois fica perto e ainda há muita coisa a conhecer. Então, aguardem mais relatos e fotos (e talvez até vídeos)!

segunda-feira, fevereiro 05, 2007

Curtas

A novela continua: ainda não consegui obter a carteira de motorista. Aquele erro de digitação do meu nome no Social Security continua me causando problemas. Só vou postar mais noticas sobre esse assunto quando eu já estiver dirigindo o carro, ok?

SuperBowl: Ontem foi a final do campeonato de futebol americano, dia que é conhecido como SuperBowl. Para os americanos representa o mesmo que uma final de copa do mundo representa para os brasileiros, tudo parou ontem a noite! Jogaram os Colts de Indianapolis contra os Bears de Chicago. Não acompanhei o jogo (até porque não tenho TV em casa, hehehe), mas fiquei sabendo que o time de Indianapolis venceu por 29 a 17.

Lembram do amigo estrangeiro que me ajudou indicou o carro para compra? Ele se chama Matt, e ontem ele me conseguiu uma bicicleta! Ela está com alguns probleminhas e precisando de um óleo na correia, mas ela vai ser útil enquanto eu não puder sair com o meu veículo por aí.

domingo, fevereiro 04, 2007

O que Norwich tem de melhor


Hoje eu fui no que Norwich tem de mais legal para oferecer aos seus habitantes: o rinque de patinação! Paguei US$ 5 para entrar e mais US$ 4 para alugar os patins (que aqui eles chamam de skate) e pude ficar quase 2 horas patinando no gelo.

Eu já sabia que era muito escorregadio, mas quando eu coloquei o pé no rinque eu vi que não tinha nem 10% de noção do quão escorregadio é. Levei uns 20 minutos (e 2 tombos) para aprender a andar sem ficar me segurando nas muretas na beira da pista. Depois que aprendi, não parei mais de patinar; já sei como andar em 1 pé só, pegar velocidade e ficar depois só deslizando com os 2 pés e também tentei patinar de costas, mas é muita coisa para a primeira vez, isso eu vou tentar mais na próxima.

No rinque foi o primeiro lugar em que eu vi bastante crianças e jovens; normalmente só vejo adultos por aqui, os mais novos não costumam sair na rua no inverno (ou talvez no ano inteiro, vai saber). Como eu fui sozinho e sem câmera, não tinha co o tirar fotos, mas aí encontrei uma mãe americana que estava fotografando os filhos e pedi pra ela tirar 1 foto. Ela foi muito simpática e acabou tirando várias fotos (apesar de a maioria não ter ficado muito boa, mas valem como registro). Obrigado, Lisa!

sexta-feira, fevereiro 02, 2007

Passei!

Essa notícia eu estava ansioso para poder postar: passei no teste de habilitação, e hoje pela manhã já vou pegar minha carteira de motorista americana!!! Não posso deixar de agradecer a todos que estavam torcendo e/ou orando por mim.

O teste em si foi fácil, acertei todas as questões da prova escrita e fui bem no teste de direção. Entretanto, antes do teste tive vários problemas: documentação (erraram a escrita do meu nome), faltavam alguns papéis do carro em que eu iria fazer a prova (não o meu, o do meu colega colombiano, o Edwin), ocorreram alguns problemas no meu próprio carro (pneu e bateria)... A lista de contratempos é extensa, mas tenho certeza que foi Deus que ajudou a superar cada um deles.

Agora o próximo passo é o registro do meu carro. Espero que dessa vez o andamento seja um pouco mais tranquilo :-)

quarta-feira, janeiro 31, 2007

Nova Iorque: impressões

Estou com pouquissimo tempo, pois estou envolvido para conseguir a carteira de motorista de Connecticut e para registrar o carro, por isso talvez este seja o único post extenso desta semana :-(

Eu já descrevi como foi a viagem a Nova Iorque, agora chegou a hora de contar as impressões que ficaram. Pra mim, o que foi mais marcante foi ver a diversidade que há naquela cidade... existem pessoas de todos continentes, todas raças, com as mais estranhas roupas. Realmente é valida aquela piada que diz que se um E.T. quisesse andar tranquilamente aqui na Terra bastaria morar em Nova Iorque; com certeza ninguém acharia estranho! Duvido que outra cidade no mundo seja tão diversa, talves por isso que alguns digam que ela é a capital do mundo.

Aqui nos EUA, o nova-iorquino tem fama de não ser muito simpático. Eu só estive algumas horas lá e posso estar errado, mas me pareceu que eles fazem juz à fama: vi pessoas apresadas andando pelas ruas, motoristas não muito educados, um tratamento meio impessoal nas (poucas) lojas em que entrei... Mas pode ser que tudo isso sejam apenas características de toda cidade grande.

Há uma outra fama da cidade que felizmente eu não pude comprovar: a de ser uma cidade violenta. Alguns americanos tinham me contado “horrores”: batedores de carteira no metro e flanelinhas nas sinaleiras lavando o vidro dos carros, hehehe. Os parâmetros deles são bem diferentes do meu, eles não sabem o que é uma cidade violenta! A única coisa que eu vi alguns mendigos nas ruas; não muitos, mas mendingos.

Sobre o aspecto da cidade, posso dizer que é muito agradável. Além de ter um parque gigantesco como o Central Park, existem muitas árvores nas ruas. A limpeza também se destacou: já vai longe o tempo em que NY era a cidade mais pichada do mundo, como se via naqueles filmes dos anos 70. Hoje não existem mais pichações, todos os prédios são muito bem cuidados; até mesmo no Harlem, que é um dos bairros mais pobres (e predominantemente de negros) na cidade.

Pra encerrar, uma promessa: ainda vou fazer um filmezinho sobre a cidade, mas vai ficar, no mínimo, para a semana que vem. Talvez na minha próxima folga eu vá de novo até Nova Iorque, conheça outros locais diferentes e reúna tudo em um mesmo clipe.

quinta-feira, janeiro 25, 2007

Nova Iorque é que tem um jeito legal...


Em primeiro lugar, tenho que admitir uma coisa, mesmo tendo ficado tão pouco tempo na cidade: Nova Iorque é demais! Meu passeio foi curto, pois cheguei lá a tarde e precisava voltar cedo para trabalhar à meia-noite.

Saí de casa cedo (5h da manhã) para pegar um ônibus que chegaria lá às 9; infelizmente ele já estava lotado. Assim, tive que ir em um outro horário (só um parênteses: parece que vai demorar mais de mês para conseguir finalizar a documentação do meu carro) e cheguei na cidade por volta das 14h.

A primeira coisa que eu fui conhecer foi a Times Square. Se de dia aquele lugar já é realmente impressionante, eu fico imaginando como não deve ser a noite, com luzes, painéis e sempre uma grande agitação. Bom, caminhando por lá ouvi um som familiar e parei: era um casal de namorados falando Português! Eles foram os primeiros de vários brasileiros que encontrei por lá em pouco tempo. Logo depois encontrei um outro, o Manrique, que foi quem tirou aquela foto do post anterior. Fomos a um McDonald's e, acreditem ou não, comi o primeiro Big Mac desde que cheguei nos EUA.

O Manrique me passou umas dicas de lugares legais pra conhecer em pouco tempo, e assim eu peguei a Quinta Avenida e fui caminhando: passei pela igreja Saint Patrick, andei na rua que é conhecida por Little Brazil, vi o prédio do Donald Trump (o cara que inventou o programa "O Aprendiz"), e claro, tirei umas fotos em frente a loja da Apple!


Depois, fui ao Central Park; ele é gigantesco, várias vezes maior que a Redenção em Porto Alegre. Passei em frente ao Hotel Plaza, aquele do filme "Esqueceram de Mim" e tirei uma fotografia de um Rolls Royce! Fui até a 96th, pois tinha combinado de pegar lá um teclado Roland para um amigo meu. Nessa hora já era noite, e eu tinha que voltar, para pegar o ônibus. Como eu estava com o teclado, que era bem pesado, fui de táxi até a Chinatown, onde esperei um tempo até consegui voltar.


Em um próximo post vou contar as impressões que tive do primeiro contato com a cidade, pois por hoje já escrevi demais!

quarta-feira, janeiro 24, 2007

Em Nova Iorque!!!


Estou em um McDonald's na frente da Times Square. Como tenho pouca bateria no notebook, só vou postar 1 foto mesmo. Assim que possível escrevo um post completo contando minhas impressões daqui.

segunda-feira, janeiro 22, 2007

Ela finalmente chegou!!!


É a primeira NEVE de verdade nesse ano em Norwich, e a primeira vez que eu vejo neve de verdade na vida! Está frio, -5,7 graus. Agora é esperar que a neve acumule pra fazer os primeiros bonecos!